segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Cientistas identificam mistérios na abertura do Sepulcro de Cristo

Na abertura do Santo Sepulcro alguns cientistas reportaram um 'suave aroma'  e os aparelhos funcionaram de modo anormal
Na abertura do Santo Sepulcro cientistas reportaram um 'suave aroma'
e os aparelhos funcionaram de modo anormal
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





continuação do post anterior: O Santo Sepulcro aberto, a Ressurreição de Jesus Cristo e a “ressurreição” da Igreja em nossos dias




Alguns arqueólogos que trabalharam na abertura do Santo Sepulcro disseram ter percebido fenômenos não habituais nesse tipo de investigações.

Segundo informou CatholicCulture.org, eles relataram que se aproximando da pedra original sobre a qual repousou o corpo de Cristo ungido por Nossa Senhora perceberam um “aroma suave”.

Esse seria comparável aos perfumes florais que também foram relatados em aparições de Nossa Senhora ou dos santos, como aconteceu no enterro de Santa Teresinha.

Os especialistas também contaram que os aparelhos eletrônicos ligados sobre o Santo Sepulcro começaram a funcionar mal ou pararam completamente, como se fossem afetados por forças eletromagnéticas não identificadas até agora.

O site “Aleteia” forneceu maiores informações.

As falhas nos aparelhos aconteciam quando esses eram colocados em posição vertical sobre a pedra em que repousou o corpo morto de Cristo até a Ressurreição.

As hesitações de uma responsável e a resposta da Providência

Marie-Armelle Beaulieu, diretora da revista Terre Sainte Magazine deu impressionante testemunho.
Marie-Armelle Beaulieu,
diretora da revista Terre Sainte Magazine
deu impressionante testemunho.
Marie-Armelle Beaulieu, diretora do site da Custodia Franciscana de Terra Santa e chefe de redação da revista da mesma Custodia Terre Sainte Magazine, foi uma das poucas pessoas, cientistas e responsáveis religiosos, que teve licença para visitar o sacro túmulo aberto.

Ela se mostrou cética quanto ao “odor suave” de que outros falavam. Para ela um odor facilmente pode ser resultado de uma autossugestão. Ela diz que não percebeu aroma particular algum.

Porém, durante a abertura anterior do sepulcro, que foi parcial e esteve a cargo do arquiteto Nikolaos Komnenos em 1809, o cronista da época também fez menção a um “doce aroma”.

Segundo Marie-Armelle, as pessoas que se interessam pelo Santo Sepulcro conhecem bem esse texto, e de ali tira a tese da autossugestão.

Porém, as informações nada dizem se os cientistas que estão trabalhando no Sepulcro sabiam algo desse antecedente histórico.

Não há dados que apontem católicos entre eles, sendo mais provável que fossem maioritariamente cismáticos, sem religião ou até agnósticos.

Não seria estranho que a graça tenha querido tentar toca-los com um sinal sensível, material, como os “aromas florais”.


Entretanto, Marie-Armelle Beaulieu se mostra bem menos cética a respeito das perturbações eletromagnéticas no instrumental científico.

Segundo ela, o fenômeno foi confirmado a ela própria por um dos cientistas que acessaram o Sepulcro.

A diretora das obras, professora Antonia Moropoulou da Universidade de Atenas, observou enfaticamente que é difícil um profissional relevante colocar a própria reputação em risco procurando notoriedade com um “truque publicitário”.

Ele não teria deturpado os fatos acontecidos durante uma atividade profissional e da relevância desta, tão sujeita à crítica de um grupo numerosos de outros cientistas engajados nos trabalhos.

Acresce que os cientistas manifestaram surpresa durante a abertura do Sepulcro porque esperavam que a pedra estivesse em um nível muito mais baixo do que estava de fato.

As análises prévias que induziram a esse erro teriam sofrido distorções provocadas pelas perturbações eletromagnéticas do sepulcro de Cristo. O fato portanto está constatado, mas até hoje não há explicações sólidas para ele, só apenas hipóteses.

Uma constatação de outra natureza: a abertura da pedra frontal e a revelação da pedra interna sobre a qual foi depositado o corpo de Cristo estão de acordo com os costumes fúnebres dos judeus do século I, reforçando os argumentos em favor da autenticidade histórica.

Abertura protegida com vidro blindado agora permite ver a parede do túmulo sagrado
Abertura protegida com vidro blindado agora permite ver a parede do túmulo sagrado
Embora Marie-Armelle Beaulieu, que é católica, tenha externado ceticismo sobre os aromas, ela narrou uma experiência pessoal que tal vez vale mais do que a percepção de ditos odores florais.

Ela se referiu aos imponderáveis sobrenaturais do local. E começou dizendo:

“Para mim seria extraordinário se os peritos conseguissem demonstrar que esta pedra foi mesmo o local em que se colocou o corpo de Cristo, mas, mesmo que eles provassem o contrário, ela ainda continuaria sendo um sinal da Ressurreição”.

E explicou a razão dessa sua aparente contradição:

“A igreja do Santo Sepulcro é um local desconcertante.

“No começo eu não gostava muito dela. Esperava uma igreja linda e encontrei esse lugar de arquitetura estranha, que não lembra em nada as cenas bíblicas.

“Não há nenhum rastro do jardim, por exemplo.

“Mas, com o tempo, fui desenvolvendo um apego durante as procissões de que participo com os franciscanos. Não é um lugar para visitar, mas para orar.

“Graças a um religioso, eu pude entrar até a rocha que sustentou o corpo de Cristo, algo que nunca teria imaginado!

“Eu me senti num estado estranho, como que sem gravidade, mas me lembro de todos os detalhes. Nunca mais irei ao Santo Sepulcro da mesma forma”.

Sem dúvida, para a hesitante Marie-Armelle, a Providência parece ter reservado um tratamento diverso e de uma grande elevação espiritual.

Ingresso ao Santo Sepulcro em foto anterior ao restauro em andamento.
“Agora, continuou ela, já recolocaram a pedra de mármore e só é possível ver a cripta parcialmente, através de uma abertura (protegida com um cristal blindado, ndr). Mas eu sei que a pedra está lá.

“Eu tinha o costume de fazer uma genuflexão diante do túmulo de Cristo, mas depois refleti e achei que isso é absurdo, porque lá não há mais nenhuma Presença real!

“E diante da santa Eucaristia que devemos fazer a genuflexão!

“Mas, no Santo Sepulcro, diante desse túmulo, há uma ‘Ausência real’. Um túmulo vazio! Um milagre diante do qual todo joelho se dobra, no Céu, na terra e nos infernos”.

São Tomé apóstolo não creu na ressurreição de Nosso Senhor como acreditaram os outros Apóstolos. E disse que não acreditaria até enfiar seus dedos nas chagas abertas em Nosso Senhor pela Paixão na Cruz.

24. Tomé, um dos Doze, chamado Dídimo, não estava com eles quando veio Jesus.

25. Os outros discípulos disseram-lhe: Vimos o Senhor. Mas ele replicou-lhes: Se não vir nas suas mãos o sinal dos pregos, e não puser o meu dedo no lugar dos pregos, e não introduzir a minha mão no seu lado, não acreditarei!

26. Oito dias depois, estavam os seus discípulos outra vez no mesmo lugar e Tomé com eles. Estando trancadas as portas, veio Jesus, pôs-se no meio deles e disse: A paz esteja convosco!

27. Depois disse a Tomé: Introduz aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos. Põe a tua mão no meu lado. Não sejas incrédulo, mas homem de fé.

28. Respondeu-lhe Tomé: Meu Senhor e meu Deus!

29. Disse-lhe Jesus: Creste, porque me viste. Felizes aqueles que crêem sem ter visto! (São João, 20, 24-29)

Marie-Armelle não sentiu os aromas e, é claro, não tocou – nem poderia – nas feridas de Nosso Senhor.

Mas, ele foi tocada por uma graça que lhe fez compreender que no Santo Sepulcro se opera em continuidade “um milagre diante do qual todo joelho se dobra, no Céu, na terra e nos infernos”, nas palavras dela.

E tal vez isso vale mais do que tudo.

Essa ação, segundo me contaram peregrinos que ali estiveram, se faz sentir no local para todos os que chegam até ele com o coração contrito e humilhado.

E às vezes, impressiona até os que concorrem com o espírito endurecido e saem transformados!

A prova da laje dos Cruzados e a surpresa dos arqueólogos

O arqueólogo Fredrik T. Hiebert integrou a equipe do National Geographic.jpg
O arqueólogo Fredrik T. Hiebert integrou a equipe do National Geographic.
Quando os arqueólogos descobriram a segunda laje de cor cinza escuro com uma Cruz gravada pelos Cruzados, levaram uma surpresa, segundo disse o arqueólogo Fredrik T. Hiebert que fazia parte da equipe do National Geographic, citado por “The Daily Mirror”.

“Nós não fazíamos ideia que essa laje estivesse ali. O santuário foi destruído tantas vezes por incêndios, terremotos e invasões ao longo dos séculos.

“Em verdade, nós nem tínhamos certeza se a basílica havia sido reconstruída exatamente no mesmo local de cada vez.

“Mas [a laje dos Cruzados] se apresenta como a prova visível de que o local focado pelo culto dos fiéis hoje é verdadeiramente o mesmo túmulo que o imperador romano Constantino localizou no século IV e que os Cruzados reverenciaram. É surpreendente.

“Quando nós realizamos aquilo que tínhamos encontrado meus joelhos tremeram um pouco”, acrescentou Hiebert.

O Santo Sepulcro foi aberto na presença dos líderes religiosos responsáveis pelo santuário. Eles foram os primeiros a ingressar e saíram exibindo grandes sorrisos.

Santo Sepulcroa laje dos Cruzados (escura) e a pedra sobre a qual foi depositado o Corpo de Nosso Senhor morto (cor clara)
Santo Sepulcroa laje dos Cruzados (escura)
e a pedra sobre a qual foi depositado o Corpo de Nosso Senhor morto (cor clara)
“Então nós ficamos curiosos deveras, contou Hiebert. Quando foi nossa vez, olhamos para a tumba e vimos um monte de entulho. Portanto não estava vazia, mas não havia objetos feitos por homens ou ossos”.

Isso é comum em túmulos antigos, mas se tivesse havido falaria contra a Ressurreição.

Os cientistas usaram radares que perpassam o chão e scanners térmicos para coletar toda a informação possível.

Nessa função trabalharam 35 especialistas em conservação de antiguidades que empregaram 60 horas para remover o entulho, documentando cada passo.

Por fim, eles chegaram até a pedra que serviu de leito mortuário de Nosso Senhor poucas horas antes do prazo combinado em que eles deveriam voltar a selar o Sepulcro.

A equipe reuniu tantos dados que serão necessários meses a fio para analisa-los.

Fredrick Hiebert explicou que “frequentemente na arqueologia o momento de exclamar ‘Eureka!’ não acontece no próprio local de escavação. Ele acontece quando você volta a casa e examina os dados que coletou. Quem sabe o que isto vai nos revelar”, concluiu admirado.



O túmulo de Jesus reaberto por vez primeira em séculos (National Geographic)







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.